top of page

Mulher e líder

Quando recebi o convite da Renata para escrever esse artigo, fiquei pensando: como vou escolher uma coisa só para falar?! Afinal de contas ser mulher a gente nem precisa falar, porque transparece nos nossos rostos cansados. Mulher e líder então, meu Deus! Mas a questão é que não saia da minha cabeça a minha primeira experiência como mulher líder, os meus desafios nessa situação e o que aprendi depois dela. Então, meu primeiro conteúdo para essa rede querida será uma partilha de experiências, cheia de vulnerabilidades e com a intenção de mostrar que é difícil mesmo, que não vamos ter todas as respostas, e que tá tudo bem!


Bom, mas vamos lá! Minha primeira experiência oficialmente em um cargo de liderança foi em uma empresa em que o CEO não achava que precisavam do meu trabalho (não por ser eu, mas pela área que iria liderar). Eles estavam há 15 anos no mercado e a empresa estava dando resultado, então para que mexer em time que está ganhando não é mesmo! O ponto é que a empresa havia sido investida e precisou contratar um CTO, e foi esse cara que “comprou a briga” de ter uma Head de RH na empresa. E ele conseguiu!


mulheres líderes
Érika Almeida de calça laranja em evento da She's The Boss

Expectativas (minhas e dos outros) Eu cheguei lá para encarar uma demanda represada de quase 30 funcionários, dentre eles, uns 7 líderes, todos homens. Isso mesmo! A louca aqui além de topar responder para um CEO que não achava que precisava do trabalho dela, ainda embarcou na tempestade de ser a única líder mulher nos 15 anos de história da empresa. Eu sei que você tá agora pensando que eu estava louca, e isso é porque nem contei ainda o antes. Eu estava há 6 anos em uma das maiores empresas do mundo (isso mesmo, mundo). Era ponto focal de RH das lideranças, mesmo não sendo líder. Boas avaliações de performance, 2 promoções até então, tudo indo bem. Inclusive, quando comuniquei minha saída para minha liderança, me pediram para conversar com a Gerente Sênior da minha área e a Diretora de RH Brasil! A única pessoa acima de mim com quem não falei, foi o CEO Brasil. Muitos pontos que poderíamos desdobrar aqui, mas fica para outra hora. Vamos nos ater ao pós desligamento e entrada na nova empresa.



Reuniões e minha relação de amor e ódio

Um dos maiores desafios que enfrentei lá foram as reuniões. Apesar de estar crescendo e dando resultado, a empresa ainda não tinha uma gestão estruturada, o que é bem comum inclusive. O Brasil é o país do empreendedorismo por necessidade né minha gente. Começamos um negócio com o que temos, as coisas vão acontecendo e em algum momento atinge um tamanho que nos exige ir para o próximo degrau. Ou seja, via aquela situação como algo natural, mas que precisava caminhar para a próxima etapa. E aqui, o que me ajudou muito foi estrutura!


Então aqui vai um primeiro aprendizado e direcionamento para você aplicar aí no seu negócio, seja para começar reuniões estruturadas ou evoluir as que você já faz.


Toda reunião de gestão precisa de:


  • Periodicidade definida: entenda qual o período é necessário para que as definições da reunião tenham andamento. Fazer reunião sem que as coisas tenham tido alterações significativas não faz sentido. Acaba virando aquela reunião inútil.


  • Objetivo claro: é uma reunião apenas para apresentação de informações ou temos decisões a serem tomadas? Se for o segundo caso, quem são as pessoas que realmente precisam participar dessa decisão (o que é diferente de dar sugestões para a construção da proposta a ser apresentada para os decisores)


  • Uma pessoa para secretariar a reunião e uma para facilitar (o que tem mais a ver com habilidades do que necessariamente com o cargo das pessoas)

  • Secretariar é ficar responsável por anotar as decisões tomadas, os andamentos dados, prazos e responsáveis pelas próximas etapas

  • Facilitar é fazer com que não nos desviemos da pauta, que estamos dando espaço para todos participarem (e tem estrutura para isso também, em outra oportunidade conto para vocês), e se atentar para que a reunião não extrapole o tempo.

  • Passo a passo:

  • Checkin

  • Relembrar as pessoas sobre o motivo e objetivo da reunião

  • Repassar a pauta e checar se algo relevante para essa reunião ficou de fora

  • Apresentar as informações

  • Abrir para dúvidas e sugestões (se for o caso)

  • Definir próximos passos, prazos e responsáveis

  • Checkout


Se você quiser se aperfeiçoar na estruturação das reuniões, você pode acessar o Club Líder Memorável e iniciar o curso Reuniões Produtivas. As mulheres que são membro da STB já tem desconto acessando o programa direto pelo app.


A mulher e líder brava


Fizemos uma festa de final de ano e meu chefe falou para o meu marido: sua esposa é brava hein!

Eu já ouvi muito esse comentário sobre mim. Você já? Confesso que isso me incomodava demais! Eu me sentia errada, invalidada como profissional e pessoa, e me punia por isso. De alguma forma, durante o tempo em que estive nessa empresa, por muitos motivos que eu nem vou saber enumerar, eu ressignifique esse estereótipo.Naquele momento, eu sabia separar bem o que era meu e do outro nessa fala. Eu não estava mais disposta a me anular para atingir o status de boazinha que as pessoas me cobravam. Eu comecei a entender que sim, eu sou uma pessoa diretiva, que se comunica de forma direta, e em alguns momentos podia modular melhor o tom. Mas entendi também que eu sou uma pessoa ética, justa e honesta comigo e com as outras pessoas. E compartilho isso com você para falar sobre a segunda lição.


Estar em uma posição de liderança, envolve desagradar às vezes, e precisamos aprender a lidar com essa nossa necessidade intrínse ca de agradar, ser aceita e amada se queremos que nossos negócios prosperem. E lembre-se, nada disso tem a ver com ser grossa, antiética ou injusta. São coisas bem diferentes e nós mulheres


E aí, fez sentido para você? Vamos compartilhar nossas experiências para aprendermos juntas.


Erika Almeida desenvolvimento de líderes

33 views0 comments
bottom of page